Cortes do Filé Mignon



No vídeo o  especialista em carnes István Wessel prepara os cortes de paillard, escalope, medalhão e chateubriand a partir da peça inteira do filé mignon.

O Filé mignon é um tipo de corte da carne bovina podendo ter também, outro tipo de carne junto, o cordão do filé mignon.

É localizada na parte traseira do animal e representa, aproximadamente, 1% do peso total do animal.
É o corte mais macio da carne bovina e quase não contém gordura.

 Um filet mignon inteiro tem aproximadamente 2 kg.

É ideal para bifes, como tournedor, medalhão, escalope, estrogonofe e também para rosbifes, assados, refogados e picadinhos.

 

ü  FILÉ MIGNON – CORTES


Uma peça de filé tem cerca de 2 kg e pode ser dividida em até cinco cortes. 
Do coração, sai o chateubriand, com cerca de 400g. 
Seguindo para as pontas, vêm os tournedos, de 250g, e os medalhões.  Os escalopes (bifes), paillards (bifes finos e batidos) e os emincés (tiras como de estrogonofe) são
retirados já no fim do mignon. 


1) Chateaubriand – 350 a 400 g (generosa porção de filé mignon, de mais ou menos 5cm de altura, geralmente retirada do centro do filé, servido bem passado por fora e mal passado por dentro)
2) Tournedos – 200 a 250g(normalmente metade de um chateaubrian)
3) Medalhões –90 a 120g(corte no formato redondo)
4) Escalope/Escalopinho – 60 a 70g(corte em fatias finas, no sentido transversal das fibras)
5) Emincé – pedacinhos


 Fonte: Apostila de identificação de cortes de carnes. Curso de gastronomia. São Paulo, Senac, 2003.




 Algumas receitas com filé viraram clássicos da gastronomia internacional, e até da brasileira.   

FILET AU POIVRE - O clássico francês chegou ao Brasil junto com os bistrôs.  Em qualquer um deles é possível achar o medalhão ao ponto, servido com o molho apimentado.  O preparo desse filé se confunde com a própria história da gastronomia francesa clássica, useira e vezeira dos molhos fortes.  O ‘au poivre’ é o molho rôti combinado com pimentas verdes e especiarias.  Durante três dias, ele é fervido, para adquirir a consistência exata.  Cremoso e forte, é a cobertura do medalhão de 250g retirado do meio do mignon.  O filé é grelhado rapidamente em uma frigideira com pouco óleo para permanecer grosso e suculento.  Dourado por fora e vermelho por dentro, com cerca de 7 centímentros de altura, é levado ao prato e decorado com ervilhas e salsinha. 

FILÉ DO MORAES – O bife tem cerca de 500g e quase 10 cm de altura.  Por cima, uma porção generosa de alho frito; ao lado, salada de agrião ou batatas fritas.  O exagero do filé do Moraes não é para qualquer um.  Prato-chefe do restaurante de mesmo nome, a receita permanece inalterada desde 1914.  Seu inventor, o português Salvador Domingos Vidal, decidiu que o mignon combinava com muito alho e agrião (atualmente, é servido com brócolis) – e pronto.  A receita estava criada.  O Moraes, que dá o nome ao prato, era o chapeiro que fazia o filé “mal-passado e sangrando”, como conta José Luiz de Freitas, um dos donos do restaurante.  Uma das histórias que a tradicional casa carrega é a da criação do modo Chateaubriand de fazer o mignon. “Quando o Assis Chateaubriand vinha ao restaurante, pedia a carne só na manteiga.  O nome pegou rapidinho”, diz.



Fonte: livro Chef Internacional, estado de São Paulo.

Comentários

  1. Ficou muito legal
    Parabens
    Joaquim

    ResponderExcluir
  2. Pai, todas as suas sujestões estão ótimas!!! obrigada! bjo

    ResponderExcluir
  3. Muito construtivo essa informação Parabéns

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas