Se você faz receitas do Quarta Feira, envie a foto da sua preparação na página do facebook:

sábado, fevereiro 18, 2017

BOLO DE FUBÁ

SÁBADO É DIA DE BOLO!

Só sei fazer bolo simples, sem recheio (também são os que eu mais gosto!), daqueles para acompanhar um cafezinho, aqueles de fim de tarde ou de café da manhã.
Esta receita é de uma amiga, a Iolanda.
É fácil e fofíssima!! 

 Para esse tipo de bolo, quase não sobra nenhum glamour. 
Então,  convide uma pessoa querida para te acompanhar no cafezinho e a receita mais básica se transforma  especial!!


Ingredientes:
4 ovos
1 1/2 xícara de leite
1 xícara de óleo
1 pitada de sal
1 xícara de farinha de trigo
1 xícara de fubá
2 xícaras de açúcar
1 colher de sopa de fermento em pó (royal)

Modo de Preparo:
Bata tudo no liquidificador, menos o fermento. Bata bem!!!
Acrescente o fermento, e mexa.
Leve ao forno por 30-40 minutos, até o palito sair sequinho.
















sexta-feira, fevereiro 03, 2017

Croque Monsieur: o mais famoso sanduíche francês.

Segundo a Enciclopédia Larousse Gastronomique (para nós gastrônomos – é a mais completa fonte de informações), o primeiro Croque-Monsieur foi servido no verão de 1910, num bar inglês chamado Le Trou dans le Mur, que ficava no Boulevard des Capucines, em Paris. Presunto e queino emmenthal no pão de forma aquecido na frigideira, assim era feito.
De inspiração anglo-saxônica, o Croque-Monsieur é uma adaptação (melhorada) do Welsh Rarebit inglês. Sua inspiração veio do País de Gales, que já o faziam desde o século 18 - mas só com queijo e presunto.
O croque no nome vem do som que um exemplar benfeito emite ao ser mordido.
Feito com duas fatias de pão de forma ou com brioche, queijo emmenthal ou gruyere e presunto cozido fatiado, e gratinado com molho bechamel ou mornay. Sua aparência é apetitosa!!
Existem variações mais sofisticadas como o croque madame, que é acrescido um ovo frito depois do molho bechamel.
Acrescentar ou mudar um ingrediente muda-se o nome do prato, tal como:
·         croque provençal = com tomates;
·         croque auvernês = com queijo bleu d'Auvergne;
·         croque norueguês = com salmão;
·         croque tartiflette = com batatas;
·         croque açucarado = a guarnição é substituida por banana e chocolate em pó;
·         croque caramélizado = a guarnição é feita de açucar em pó;
·         croque Havaiano = com uma rodela de ananás.

O meu preferido é o croque monsieur com muitttttooosss cogumelos. Ai vai a receitinha. Espero que todos arrumem um tempinho para prepará-lo neste fim de semana!
Croque Monsieur com cogumelos
(Serve 4 pessoas)
Ingredientes/ Cogumelos:
4 shiitakes grandes fatiados
8 cogumelos paris fatiados
3 dentes de alho picado
1col de sopa de manteiga

Molho branco ou bechamel:
30grs de manteiga
30grs de farinha de trigo
275ml de leite
100g creme de leite fresco
Quanto necessário Noz moscada, sal e pimenta do reino moida

Croque Monsieur:
8 fatias de pão de forma
400grs de molho branco
4 fatias de  presunto cozido fatiado
4 fatias de queijo gruyere o tipo suíço
200grs de queijo emmenthal ralado

Modo de fazer:
1-   Corte os cogumelos de paris em fatias grossas. Ponha manteiga na frigideira, coloque o alho picado  e doure bem depois acrescente os cogumelos. Quando estiverem dourados, adicione sal e pimenta do reino.
2-   Molho branco ou bechamel: Em outra panela, ponha manteiga e deixe derreter. Adicione farinha de trigo e misture. Vá acrescentando o leite quente e mexendo. Tempere com noz moscada ralada, sal e pimenta do reino moída.
3-   Monte o sanduiche:  Acrescente presunto e queijo gruyere fatiado ao pão de forma. Passe o molho branco na parte de dentro do pão e forme um sanduíche. Coloque mais um pouco de molho branco na parte de cima do pão e adicione bastante queijo gruyere ralado. Leve ao forno por 10 a 15 minutos para gratinar. Retire e sirva.

Variações de croque monsieur:
No lugar do presunto cozido e fatiado, acrescente:
·         bacon fatiado e frito;
·         salmão defumado;
·         presunto cru com aspargos fresco;
·         tomate seco e mussarela de búfala;
·         queijo brie com mel;





sábado, janeiro 28, 2017

WRAP DE SALMÃO DEFUMADO E AGRIÃO


Você sabe a origem do nome Sanduiche?
        A honra de nomear este favorito artigo  vai ao famoso jogador Jonh Montague, quarta geração dos sandwich. De acordo com a lenda, este cavalheiro recusou deixar as mesas de apostas/jogo porque não quis quebrar sua raia ganhando. Perguntou se haveria algum pão e o encheu com uma carne qualquer, e a paixão por sanduíches começou. 
            Sanduíches  podem variar de sanduíches delicados de canapés (finger sandwiches e tea sand.) á sanduíches para uma refeição.
          Não há palavra que melhor sumarize a informalidade que o sanduiche. Entre duas fatias de pão cabem uma infinidade de possibilidade de recheios.
Hoje podemos ver sanduiche como um prato incomum único. Antes era considerado algo muito simples que qualquer um poderia fazer. Eles são infinitamente adaptáveis.
A criação com nome de lorde inglês surgiu oficialmente no século 18, mas já havia "sanduíches" feitos 2500anos antes de Cristo.
Wrap:
            Esta receita de sanduiche se chama Wrap. No sentido literal, wrap significa envolver, em inglês.  Mas no sentido do paladar, em qualquer idioma, é uma receita levíssima!!! São sanduíches leves, saudáveis e com pouca gordura, uma  nova tendência  nas lanchonetes mais modernas, enrolado como um rocambole. O pão deve ser fino e  pode variar, pode ser usado pão folha, pão sírio, massa de pizza de frigideira, massa de crepe, a massa da tapioca...
            Variando o recheio você cria enroladinhos frios ou quentes. Além de gostoso, apresenta uma maneira diferente de servir o lanche: fica bonito e colorido!
                                    Esta é uma receita que preparo em aula!
Wrap de salmão defumado com agrião
Ingredientes
50g folhas de agrião
150g cream cheese
1/2 colher de chá de mostarda dijon
rapas de 1 limão
2 gotas de tabasco
01 col. sopa de Suco de limão
sal e pimenta do reino moida a gosto
100g queijo gruyere em lascas finas
150g carpaccio de salmão defumado
3 folhas de alface americana
01 fatia de pão folha pequeno

Opcional: 1 maça verde em fatias finas, com gotas de limão.
Modo de Preparo:
Faça a pasta de agrião: No processador, bata o agrião, o cream cheese, a mostarda, o tabasco, as rapas de limão e o suco. Tempere e reserve essa pasta.
Montagem: Monte no pão folha, passe a pasta de agrião, coloque o alface rasgado, o salmão e o queijo, enrole como um rocambole, e corte na transversal, na hora de servir.

Fonte: Carol Coelho receita, livro pequeno dicionário de gastronomia, revista claudia

terça-feira, janeiro 24, 2017

Soufflé

" Souffer - repirar "

O mais temido dos pratos, por todos os cozinheiros, por suas enormes chances de erro tem suas origens perdidas no tempo. A utilização de claras batidas é secular.
No Renascimento já eram encontradas receitas de merengues. Na França, pré-revolução, registrou-se a adição de açúcar às claras, sendo o suspiro sensação na corte de Luis XV. Já naquela época, o temor de erro fazia os cozinheiros assarem as claras dentro de massas, normalmente crocantes.
No início do século 19, Antonin Carême,  o inventor da alta gastronomia francesa, iniciou suas experiências com o forno de convexão - ou seja, o calo não vinha apenas das chamas de baixo, era produzido numa câmara externa e circulava pelo forno através de dutos. O calor circulante queimava as claras e Carême teve a ideia de colocá-as num recipiente de cerâmica, propiciando que inchassem. Este principio de inchar, no sentido de roubar o ar, deu o nome ao prato. Vem do verbo souffler - respirar, em francês.

Vamos botar a colher numa receita mais que clássica francesa: o soufflé.
Primeira dica, jogue fora aquela tigela de plástico que você usa para bater claras em neve, esta inovação moderna pode causar problemas. Por mais que lavemos a danada, plástico é uma péssima ideia na cozinha, isso por que ele sempre retém resíduos de gordura que, uma vez em contato com as claras, impede que elas ganhem volume e estabilidade. As tigelas de polipropileno ou politeno, podem conter algumas moléculas semelhantes ás de gordura, que apesar de serem prejudiciais, podem agir não permitindo ou reduzindo a formação de espuma. Isso quer dizer que seu soufflé jamais cresce (JAMÉ!!). A espuma das claras é o coração do suflê.
Outro ponto importante do soufflé que deve ser seguido a risca é o modo de misturar as claras, elas deves ser adicionadas em três porções ao creme. Acredite, não é simpatia.
Se colocarmos de uma vez, desestrutura a mistura e o "fofo" murcha como a cutis de Brigitte Bardot sem botox.
Ao escolher os ingredientes para dar sabor ao suflê, evite tanto quanto possível usar gorduras. Esta é uma forma simples de garantir um suflê perfeito.
O forno também deve estar em temperatura certa, 180°C. Pré aqueça o forno! D´accord?
Quanto menor as formas usadas, mais fácil será produzir um suflê cozido uniformemente, sem risco de queimar a sua lateral. se você usa ramequins grandes, é preferível cozinhar o suflê por um tempo mais longo a temperatura mais baixa. É preferível fazer suflês individuais do que um de grande tamanho.
O soufflé doce é a combinação de creme de confeiteiro acrescido de ingredientes que vão dar o sabor e claras.
O soufflé salgado é a combinação de molho bechamel acrescido de ingredientes que vão dar o sabor e claras.
O tempo deve ser 35 m. para ramequins grandes e 15m para pequenos.
Coloquei uma tabela com problemas, causas e solução do suflê:
 



problema causa solução
O suflê não cresce as bolhas da espuma dos ovos arrebentaram antes  bata mais as claras e observe que não
de a cocção começar.  tenha gemas nelas.
As moléculas foram insuficientes para 
estabilizar a espuma. Muita gordura. evite usar recheios gordurosos.
O suflê cresce,  as bolhas de espuma arrebentam durante a cocção Bata mais as claras, e tenha certeza
mas há somente ar depois que a crosta ficou assada. de não deixar gema nelas.
por dentro  Muita gordura.
o suflê desaba  a espuma assada é incapaz de suportar seu próprio Aumente o tempo de cocção
peso; ligação insuficiente das proteínas das claras,  e ou de temperatura;
ou cocção insuficiente, recheio insuficiente, ou  Aumente a quantia de recheio.Use um recheio 
recheio muito aguado. mais seco ou engrosse com amido de milho;






Espero que gostem. Bon appétit!


Suflê De Palmito
Ingredientes:
2 Cebola brunoise
03 dentes Alho  espremido
04 colheres de Sopa de manteiga
02 Tomate sem semente e picado
01 lata de Palmito em rodelas
Q.b Sal e pimenta-do-reino
½ xic. Farinha de trigo
02 xic. Leite
04 Ovos separados (gemas para fazer o molho branco e claras para bater em neve)
100g Queijo parmesão ralado
Q.b Farinha de rosca  (p/ polvilhar)
se gostar, molho de pimenta
Modo de Preparo:
1. Dourar a cebola e o alho em 1 colher de sopa de manteiga.
2. Juntar o tomate e o palmito.
3. Temperar com sal e pimenta-do-reino. Refogar por alguns minutos; Reservar.
4. Derreter o restante da manteiga em uma panela.
5. Juntar a farinha de trigo e misturar.
6. Adicionar o leite, sem parar de mexer, e cozinhar até que o molho branco engrosse. Temperar com noz moscada, sal e pimenta do reino moída. 
7. Retirar do fogo, o molho branco e acrescentar as gemas (passadas na peneira) sem parar de mexer, o refogado de palmito e o queijo parmesão. Misturar bem.
8. Separadamente, bater as claras em neve. Acrescentar à mistura de palmito e mexer com cuidado.
9. Pré aquecer o forno. Untar uma fôrma refratária alta, ou um marinex, ou um ramequim, de 22 cm de diâmetro e polvilhar com farinha de rosca.
10.Colocar o suflê na fôrma. Levar ao forno médio (180 º C), pré-aquecido, até ficar firme e ligeiramente dourado. Retirar do forno e servir imediatamente.




video: Julia Child


Fonte de pesquisa: revista Gula e livro: ciência da culinária, receita Carol Coelho.